O que é preciso para atingir seus objetivos?

 

Sonhos, objetivos e metas em algum momento de nossas vidas teremos o desejo de realizá-los, mas para isso, é preciso ser autoeficaz.

Mas o que significa autoeficácia?

Autoeficácia é definida pelo talento em concretizar uma tarefa específica alicerçada na aptidão pessoal, ou seja, com empenho e atitude necessários para executar uma atividade, o que também pode não representar a realidade.

Uma pessoa pode acreditar que não é capaz de realizar algo e na verdade estar preparado. A autoeficácia impacta de modo direto na formulação de metas, na realização de tarefas e nas decisões pessoais.

Ela contém em si dois tipos de expectativa: de resultado (avalia o que é preciso fazer para conseguir algo) e expectativa de eficácia (deduz se é apto de tomar as ações para cumprir um objetivo), sendo assim, uma pessoa que se intitula autoeficaz é realizada ao conquistar o que anseia obtendo reforço positivo através do resultado que teve (Pacico, Ferraz & Hutz 2014).

É possível desenvolver a autoeficácia?

Sim é possível desenvolvê-la por meio de experiências de sucesso, em que o sujeito avalia sua competência, pelas atitudes de outras pessoas, chamada de experiência vicariante, através de estímulo verbal de outras pessoas e pela estimulação fisiológica emocional que se refere ao nível de ansiedade ou serenidade que o indivíduo sente diante de um estímulo (Pacico, Ferraz & Hutz, 2014).

Uma pessoa com alta autoeficácia acredita que consegue atingir seus objetivos e nutre forças para cumprir o que espera para si. Consegue se determinar, ter disposição e perseverança para lidar com as adversidades de forma eficaz. Em contrapartida, um indivíduo com baixa autoeficácia tende a desistir muito cedo, pois se sente incapaz de gerenciar os problemas que possam ocorrer. Pesquisas apontam que a autoeficácia tem vinculo direto com desempenho acadêmico, atitudes saudáveis, lócus de controle e suporte familiar (Baptista & Santos, 2010).

Portanto, ser autoeficaz é acreditar no que se pode fazer com suas habilidades em determinadas situações, pois o indivíduo possui capacidades para influenciar seu próprio funcionamento e as circunstâncias da vida de modo intencional (Bittencourt, 2016).

 

Psicólogo, CRP 07/16242, palestrante, escritor, empreendedor, especialista em Psicologia Positiva pela UFRGS, coautor do livro Psicologia Positiva Teoria e Prática, idealizador do Ponto Mutação – Desenvolvendo Potenciais, um cara alegre, emotivo, amo o que faço, adoro música e cachorro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: